Papa Francisco no Angelus: Caminhem contra a corrente

2013-06-23 Rádio Vaticana

Cidade do Vaticano - Tenham a coragem de caminhar contracorrente e de não deixar que a esperança lhes seja roubada por valores que fazem mal como o alimento estragado.
Foi a exortação que o Papa Francisco elevou em alta voz no Angelus deste domingo, diante de cerca de 80 mil fieis reunidos na Praça São Pedro.
O Santo Padre recordou os mártires de hoje que, mais do que no passado, "pagam a caro preço" o compromisso com a verdade e o Evangelho.
O tom enfático do Papa Francisco e a sua gestualidade deram, de modo "físico", o conceito expresso pelas palavras: o Evangelho é uma causa para mulheres e homens impávidos, aqueles que – ontem como hoje, e hoje são mais numerosos do que ontem – não dão marcha a ré se entreveem que a sua fidelidade a Cristo corre o risco de se tornar perigosa ou até mesmo fatal.
De fato, com tom veemente o Papa recordou quantos "homens retos" preferem "caminhar contracorrente para não renegar a voz da consciência, a voz da verdade":
"Pessoas retas, que não têm medo de caminhar contracorrente! E nós não devemos ter medo, mas a vocês jovens, e que são tantos, digo: não tenham medo de caminhar contracorrente, quando nos querem roubar a esperança, quando nos propõem valores que são valores deteriorados, valores como a comida estragada e quando uma comida se estragou, nos faz mal; esses valores nos prejudicam. Mas devemos caminhar contracorrente! E vocês jovens, sejam os primeiros: caminhem contracorrente e tenham este orgulho de caminhar justamente contracorrente."
O Pontífice tomou como modelo São João Batista, cuja festa litúrgica se celebra nesta segunda-feira, e o indicou como um mártir da verdade igualmente a todos aqueles que, do alvorecer da Igreja até os dias atuais, derramaram e derramam o sangue por amor a Jesus:
"Os mártires são o máximo exemplo do perder a vida por Cristo. Em dois mil anos são uma fileira os homens e as mulheres que sacrificaram a vida para permanecer fiéis a Jesus Cristo e ao seu Evangelho. E hoje, em tantas partes do mundo, são muitos, muitos – mais do que nos primeiros séculos – muitos mártires que dão a própria vida por Cristo, que são levados à morte por não renegar Jesus Cristo. Essa é a nossa Igreja. Hoje temos mais mártires do que nos primeiros séculos."
Mártires também de um "martírio cotidiano" o qual, repetiu o Papa, nem sempre passa pelo sangue, mas comumente por aquela "lógica de Jesus, a "lógica da doação", que faz cumprir "o próprio dever com amor":
"Quantos pais e mães todos os dias colocam em prática a sua fé oferecendo concretamente a sua vida pelo bem da família! Pensemos nisso: quantos sacerdotes, irmãos, irmãs religiosas realizam com generosidade o seu serviço pelo Reino de Deus! Quantos jovens renunciam a seus interesses para se dedicar às crianças, aos portadores de deficiência, aos anciãos... também eles são mártires! Mártires cotidianos, mártires da cotidianidade!"
Dito isso, o Pontífice quis mais uma vez deixar a sua exortação. Reiterou:
"Não tenham medo de caminhar contracorrente! Sejam corajosos! E assim, como não queremos comer uma comida estragada, não carreguemos conosco estes valores deteriorados e que prejudicam a vida e tiram a esperança. Adiante!"
O Santo Padre concedeu, a todos os presentes, sua Bênção apostólica. 
 
Fonte: Vaticano. news
ano_da_fé_missa_2.jpg